Já não é nada

Já não são as noites que passei só

ou as palavras curtas de ti

os erros cometidos

os planos rompidos;

Já não é a ausência dos sinceros olhares

fortes amassos ou simples toques

tuas mãos longes

ou o respirar pouco perto;

Não, já não é

o que cri

o que desentendi

não é o que me tornei;

Não são os raros passeios 

os quase inexistentes momentos juntos

já não é isso

nem parte mesmo

Não mais se trata do que sinto

ou do que dele foi passado

não és tu

nem sou eu

De tudo que poderia descrever

do que não mais nos é 

do que não mais se vê

nada é

Nada, senão que não mais te amo.