Quero da tua manteiga

desliza-me o pão

amanteiga-me

enfatia-me

deixa-me no chão

me faz escorregadia

me deixa em fatias

abre-me as vias

hoje eu quero da tua manteiga

quero amolecer-me

dar-me a derreter

torra-me em você

faz-me teu pãozinho

não mistures marmeladas

nem goiabadas

quero apenas aquela polpa meio amarelada

que de ti é bem tratada

e em mim dá como janta

na cama ou na mesa

é por nós bem apreciada

e num todo saboreado

e quanto mais a como, mais a quero

eu quero da tua manteiga