Meu novo eu

já cri na morte
como fim desta realidade,
já vi na fuga
remédio para quem chora,
quase insanei-me
para nos tempos
jamais perder-me,
já desisti do sonhar
para no tempo não ficar,
já não me deito em saudades
nem vendo aos tolos meus dentes,
já não sou apenas eu
mas eu
e a vida que me deu
a minha vida
e a do poeta
já sei
agora sim me sinto completa.