À um povo que não sei

estou distante, sou distante

de todas as riquezas, sou pobre

 

do que me dá de graça a vida

gostaria de partilhar a alegria 

lhe prometer o chegar do arco-íris

a aurora, e os demais 

sinto que meu coração almeja isso

mas no fundo sabe que não tem

 

peço perdão pela ausência de sonhos 

há dias que pertencem aos pesadelos 

 

estou desprovida de palavras

das tais consoladoras 

olho pra ti e tenho raiva 

de mim

me dói ser incapaz

não poder lhe dar alguma paz

 

nada dói mais que um coração dilacerado 

ainda que houver nos olhos algum brilho

 

então hoje estou com vocês 

sou nada, estou vazia 

me dói também 

mas não te ofendas

minha for não é nem metade do terço 

mas a tenho 

 

tudo o que tenho é meu sonho 

e há dias que tal vale nada