"Chuinga": Do desafio à inspiração

     

Deixa-me antes dizer que estava mesmo a precisar deste desafio, está ser muito bom pra mim.

Já estava sem escrever um texto com mais de 100 palavras há muito tempo, fiquei no conforto dos pensamentos e uns poemas aqui e ali, mas devo admitir que estava morrendo de saudades de sangrar história, de perder noites, de cansar a mão, de explodir com os miolos. Está sendo tão bom que não apenas escrevi uma, mas duas estórias em menos de dois dias, gosto de ver a inspiração a flutuar. 

Em alusão ao Dia Internacional Do Livro Infantil ou Infanto-Juvenil, como dizem outros, celebrado no dia 2 de Abril, inspirada pela minha maninha Emily, criei então uma personagem que promete, pelo menos espero que sim, espero que gostem.  Não vou postar hoje a estória inteira, apenas uma parte. Vocês me ajudarão deixando os vossos comentários, dizendo o acharam, se continuariam a ler, o que falta, e qualquer outra informação que gostariam de compartilhar comigo e acham que melhoraria este processo.

Espero que tenham em mente que já escrevi poemas direcionados a esta faixa etária, mas nunca uma estória/conto. :) 

Quase não acredito que tudo o que precisei pra me inspirar foi um desafio. 

------------------------------------------------------------------------------------------------

 OBS: esta não é a "Chuinga", apenas um clipart encontrado no google. 

OBS: esta não é a "Chuinga", apenas um clipart encontrado no google. 

Chuinga: A menina elástica 

"Oh menina! Desce da mesa por favor"; com muito carinho a Mamã pediu. " Vai brincar com seus irmãos."

"Já desci Mama", Chuinga respondeu. A verdade é que não haviam passado nem cinco minutos e lá estava ela outra vez com as pernas na mesa a dançar.

 

Chuinga era uma menina muito inteligente, sempre com perguntas na ponta da língua, tantas que Papá começou uma brincadeirinha com ela. Todos os dias depois do jantar, Chuinga e Papá se sentavam para mais uma rodada; e começava sempre assim: 

"... então Chuinga, quantas perguntas temos hoje?!" Perguntava o Papá bem entusiasmado. 

Chuinga, a menina elástica, levantava aos pulos berrando o número de coisas que desejava saber, e a noite então prosseguia com perguntas e respostas às risadas com o Papá.